6 de abr de 2013

  • AOS PASTORES MAÇONS.



    AOS PASTORES MAÇONS. É ISSO A MAÇONARIA? É ISSO QUE VOCÊS SEGUEM?


    Logo após a Loja coar o Iluminismo, no fim do século 18, surgiu outra figura extraordinária na maçonaria. Seu nome era Albert Pike (1809-1891), e seu impacto sobre a franco-maçonaria foi tão poderoso quanto o de Weishaupt.
    Enquanto Weishaupt teve de trabalhar do lado de fora, Pike conseguiu trabalhar sobre seu alicerce e operar dentro do "sistema". Ele tornou-se maçom em 1850 e então, numa ascensão meteórica ao poder, foi eleito Grande Comandante da Jurisdição Meridional dos Estados Unidos em 1859.
    Arthur E. Waite cita o Dr. Joseph Fort Newton como dizendo que Pike "achou a maçonaria em uma cabana de madeira e a deixou num templo". Ele foi o "gênio-mestre da maçonaria". Como mencionado anteriormente, Manly P. Hall chama-o de "Platão da franco-maçonaria".
    De fato esse é um grande louvor, especialmente para um homem que exprimiu desdém pelo cristianismo, e que considerava Jesus como um instrutor cujo corpo está agora no pó. Hoje, a maior parte dos defensores da maçonaria está se afastando de Pike, visto que seus escritos, especialmente a obra Moral e Dogma, são excepcionalmente irritantes para alguém que tenta provar que a maçonaria é uma sociedade benevolente que não está em conflito com o cristianismo.
    Seu impacto não pode ser negado, visto que ele fez com que a maçonaria do Rito Escocês viesse a ser a instituição que é hoje. O fato de que, em adição aos seus títulos maçônicos, ele era também o "Soberano Pontífice de Lúcifer" o torna alguém a ser estudado com muita atenção. A evidência é de que Pike considerava Lúcifer como o deus verdadeiro. Ele, como Weishaupt, parece ter sido gnóstico e maniqueísta – no mínimo um dualista.
    Visto que Pike escolheu seguir as religiões de mistério de Baal, voltou suas costas para Deus. Se lermos seus escritos e as declarações que lhe são atribuídas, descobriremos que ele reconhecia Lúcifer como o verdadeiro deus e Adonay (o Deus da Bíblia) como o deus do mal. Os "frutos" de Pike definitivamente são de natureza satânica (Mateus 7:15-20). Em algum ponto, ele deixou de ser um maçom típico. Ele recebeu "mais luz" e decidiu lançar seu quinhão com Satanás.
    TICO E TECO DA MAÇONARIA
    Pike parece ter sido definitivamente ensinado pelo franco-maçom e revolucionário italiano Giuseppi Mazzini (1805-1872). Mazzini e Pike eram os "gêmeos idênticos" malignos da maçonaria do século 19, com Pike dirigindo o espetáculo nos Estados Unidos e Mazzini na Europa. Ambos eram militares com faro para rebelião. Pike era um general do lado dos Confederados na Guerra Civil Americana, apesar de ser um "Ianque", nascido em Boston!1
    Mazzini formara na Sicília uma sociedade chamada Oblonica, que traduzindo livremente significa: "Conto com um punhal". Como é típico com os maçons, Mazzini formou uma ordem dentro de outra ordem. Esse grupo de elite interior foi chamado por um termo muito mais familiar ao leitor – a Máfia!
    Apesar de que a maior parte das pessoas sabe o que a Máfia é, poucas percebem que ela foi fundada como uma organização maçônica terrorista. O nome Máfia emergiu por volta de 1860, e é um acrônimo para Mazzini autorizza furti, incendi, avvelenamenti – Mazzini autoriza roubos, incêndios e envenenamentos.
    O toque da Illuminati também é evidente na Máfia. Lembra da Lei dos Cinco da Illuminati e do seu sinal – a mão com a palma para a frente e os cinco dedos estendidos? Alguns poderão lembrar que a Máfia foi conhecida por um outro termo: Il Mano Nigro – a mão negra! No apogeu da sociedade, os crimes da Máfia freqüentemente foram selados por uma impressão palmar negra na cena, como se alguém tivesse pegado sua palma, pressionado na tinta e feito uma impressão da mão na parede.
    A Máfia tem também seus juramentos de sangue, seu código de silêncio, a Omerta, e ela "cuida de si própria". É uma organização maçônica ideal.
    Pike, por outro lado, ajudou a criar o que eu chamaria de "maçonaria feita de percal": a Ku Klux Klan! Pike, o antigo general Confederado, foi um ardiloso estrategista que sabia que se ele pudesse deixar uma sociedade terrorista secreta no sul para lutar contra a liberdade do povo negro como uma ação de retaguarda, a derrota do sul não seria em vão.
    Apesar de que estes fatos podem atordoar os maçons, a Loja sempre foi racista! Quase nenhum homem negro já foi admitido nas Lojas porque entre as qualificações necessárias está que o candidato seja um "homem, nascido livre, de boa reputação e bem recomendado". Este é o que significa o termo "livre" na franco-maçonaria. Você precisa ser um "maçom livre e aceito".
    Esta regra manteve os negros de ancestrais escravos fora da Loja até cerca de uma década atrás. Os homens negros foram forçados muito cedo na história dos Estados Unidos a gerar a sua própria adaptação da maçonaria, que é chamada de Maçonaria de Prince Hall.
    UMA AMIZADE E TANTO
    Em 1870, Pike e Mazzini completaram um acordo para criar um rito supremo, universal da maçonaria, que abarcaria todos os outros ritos, até mesmo os diferentes ritos nacionais. Ele centralizaria todos os altos corpos maçônicos no mundo sob uma cabeça. Essa cabeça seria, em última análise, Lúcifer. Contudo, Pike e Mazzini seriam seus regentes humanos. Para este fim, o rito do Paladium foi criado como o pináculo da pirâmide do poder.
    Domenico Margiotta, um maçom do 33° grau, escreveu:
    O Paladismo é um rito necessariamente Luciferiano. Sua religião é o neo-gnosticismo maniqueísta, o ensino de que a divindade é dupla e que Lúcifer é igual a Adonay, com Lúcifer sendo o Deus da Luz e da Bondade combatendo a favor da humanidade contra Adonay, o Deus das Trevas e do Mal... Albert Pike apenas especificou e desvendou os dogmas dos graus elevados de todas as outras maçonarias pois, não importa qual seja o rito, o Grande Arquiteto do Universo não é o Deus adorado pelos cristãos?
    Por favor, note com atenção essa última declaração! A doutrina Luciferiana, somos ensinados, está implícita nos graus mais baixos, e só torna-se um ensino explícito nos graus mais altos. O supremo da altura era o Paladium.
    Este seria uma aliança internacional entre os principais maçons. Traria nas Grandes Lojas, no Grande Oriente, os 97 graus do Memphiz-Mitzraim (O Rito Antigo e Primitivo) e do Rito Escocês. O nome, Paladium, foi tomado de uma ordem maçônica fundada em 1720 que havia acabado, apenas para reemergir em Charleston sob Pike.
    Apesar de que alguns apologistas maçons como Arthur Edward Waite afirmam que não havia nenhum Paladium Luciferiano sob Pike, seus protestos não têm consistência.
    O próprio Waite era um bruxo e ensinava as pessoas através dos seus livros como conjurar demônios e vender suas almas para o diabo!
    Apesar de que ele afirmava ser um mago cristão (??) de "luz branca", escreveu livros com títulos como O Livro dos Pactos e da Magia Negra. Quão ingênuos eles acham que somos? Ninguém pode ser um mago cristão mais do que se pode ser um vendedor ambulante de crack cristão!
    Fui trazido para a Loja Paladium (Rua Resurrection, n° 13) em Chicago no final da década de 70, e recebi o grau de "Paladino" naquela Loja em 1981 do filho e um dos principais ocultistas do fim do século 19 – um associado de Aleister Crowley. Evidentemente havia (e há) maçonaria de Paladium operando no século 20.
    Envergonho-me de admiti-lo, mas eu, eu mesmo, fiquei na Loja e uni-me na imprecação tradicional do Paladium, que é (traduzida do francês): "Glória e Amor para Lúcifer! Ódio ! Ódio! Ódio! a Deus, maldito! maldito! maldito!" Apesar de que não posso ter certeza absoluta, não tenho razão para duvidar da autenticidade da iniciação que recebi. Ela veio com certeza do fosso do inferno!
    Por: William Schnoebelen Ex-Maçom do 32º grau; MASONRY – BEYOND THE LIGHT (Maçonaria – Do Outro Lado Da Luz), págs. 91-94



  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    Art. 5°, CF

    VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

    Copyright @ 2014 Descobrindo as Verdades.